Trânsito preocupa

Saiu em vários noticiários da região na semana passada que o trânsito era o foco do município. A notícia para quem quiser ver ainda está no saite da Prefeitura.
Na referida matéria consta que o problema de trânsito na cidade é causado por caminhões bi-trens, que estariam cruzando nosso município para fugir do pedágio, pegando a estrada que vai para Pedro Osório. Inclusive existe uma placa bem grande no início da via de acesso ao nosso município, onde está escrito que é proibido o trânsito de bi-trens.
Bom, isso não vem ao caso.
O que vem ao caso agora é que em momento algum foi relatado os verdadeiros problemas desse trecho em nosso município. Os bi-trens causam problemas, sim, mas não são os únicos. Eles não são responsáveis, por exemplo, pela escuridão imensa que existe desde o trevo de acesso até a Rua Edmundo Peres. Além de ser perigoso, é uma vergonha para nosso município ter o seu cartão de apresentação na penumbra. Esse trecho de poucos metros é tão escuro que até de veículo fica díficil o trânsito. Imagina andar a pé ou de bicicleta, impossível.
Para piorar a situação, esse trecho, que é de responsabilidade da Prefeitura, não possui nenhum tipo de sinalização luminosa, como tachões ou mesmo uma simples pintura. A única placa que existe por ali é a que proíbe o trânsito de bi-trens, nada mais.
Quanto aos buracos que existem ali, principalmete nas proximidades da ponte sobre o Arroio Padre Doutor, alguns podem ter sido causados pelo trânsito pesado, mas também são efeitos da falta de manutenção. Tanto que esses buracos existem também na Avenida Narciso Silva, onde foi recolocado recapeamento asfáltico. Em vários lugares o asfalto cedeu.
Quanto a velocidade desses veículos, cabe a Prefeitura monitorar colocando placas apelativas ou redutores de velocidade, como lombadas.
No caso do trevo de acesso ser transformado em rótula de acesso, infelizmente, isso não depende da prefeitura, mas bem que poderiam fazer um esforço maior para agilizar o serviço, já que esperar pelo Governo Federal não resolve. Como exemplo temos a Avenida Eliseu Maciel, onde se fez muita politicagem e nenhuma obra. Politicagem não resolve nada, queremos ver obras. 
Para concluir, quero dizer que o trânsito pesado contribui, sim, para a deteriorização das vias, mas não é o único culpado, porque até mesmo não podemos esquecer que o Capão do Leão é grande produtor de pedras. E pedra não é isopor, os caminões que carregam pedras são pesados.

Comentários