Livre manifestação versus vandalismo

O Brasil despertou! O País acordou! O País vai às ruas! Nunca se ouviu tantas essas frases. Jovens de classe média se articularam através da internet para protestar contra o aumento da passagem do transporte público. Começou pelo centro do País e se alastrou por todas as regiões. Logo em seguida aos protestos foram incrementados por outras reivindicações: PEC-37, gastos exorbitantes com eventos esportivos, corrupção, dentre tantos outros motivos que há de errado no País.
Charge: Jornal Agora
A imprensa está fazendo uma grande cobertura das manifestações, primeiro eram contra; agora são a favor. 
A nossa Constituição diz que é livre a manifestação de pensamento e de ideias e que a aglomeração em espaços públicos é permitida, desde que para fins pacíficos.
Todas essas manifestações e suas reivindicações são justas. O País precisa mesmo de mudanças e estávamos meio acomodados a tantas denúncias de corrupção.
No entanto, nem tudo são flores nessa "Primavera Brasileira". Há muitos espinhos também. Muitos marginais estão aproveitando a "onda de protestos" para vandalizar e fazer terror. É um pequeno grupo, é verdade, mas o suficiente para manchar a imagem daqueles que só vão para protestar e exigir melhorias para o Brasil. A polícia confrontou, mas foi taxada de autoritária e insensível. Foi obrigada a recuar. E o que se viu em seguida foi uma onda de vandalismo ainda maior: patrimônio público sendo destruído, lojas sendo saqueadas, veículos sendo incendiados, violência de todas as partes. Esses marginais depredaram a prefeitura de São Paulo, saquearam e colocaram fogo em uma loja, destruíram viaturas da polícia disfarçados de policiais, picharam paredes de prédios públicos; em Porto Alegre, mais lojas destruídas, colocaram fogo em ônibus de transporte público, dando um prejuízo de mais de R$ 700.000,00 apenas para uma empresa.
Não é esse tipo de manifestação que queremos.  Sei que a luta é justa, mas os fins não justificam os meios. Os "manifestantes" devem entender que o patrimônio público destruído também lhes pertence e um dia essa conta, assim como a da Copa, será cobrada. Não adianta protestar por não concordar com os gastos da Copa do Mundo se destruírem patrimônio público. Isso me soa hipocrisia.
Não é necessário destruir nada para chamar a atenção das autoridades. A maior derrota do Governo nessa história não foi quando "manifestantes" depredaram prédios públicos, mas quando foi vaiado na abertura da Copa das Confederações. Ali o Governo sentiu o baque.
Portanto, quer fazer manifestação, vai às ruas, vaia, xinga, bate panela, tranca o trânsito se for necessário, mas não é necessário destruir nada, senão perde a razão. Até mesmo porque a manifestação é livre, o protesto também, mas não se pode esquecer jamais que existem direitos e deveres. E que o meu direito vai até onde começa o do meu co-cidadão; e ele deve ser respeitado.
Protestos e manifestações sim, violência e depredações não!

Comentários