Eleição para a mesa diretora da Câmara faz vereadores trocarem "elogios"

Faltando poucos dias para a eleição da Mesa Diretora da Câmara de Vereadores de Capão do Leão. Será nessa terça-feira, 15. Três vereadores haviam se candidatado para ser presidente: Emerson Brito, Marco Aurélio e Nazi Medeiros.
Pelos acordos firmados lá em 2013 entre PT e PTB e entre PDT e PMDB haveria dois blocos de votação. Um com seis votos (PMDB/PDT) e outro com cinco (PTB/PT). Primeiro ano PMDB, segundo PDT, terceiro também PDT. Sempre dava 6 x 5. No entanto surgiu o REDE que de cara já recebeu 3 vereadores e os acordos foram para o "beleléu". Mudou tudo! Nesse intervalo, o REDE resolveu apoiar o vereador Emerson, o que não deixou nada satisfeito a bancada do PT, já que era a vez do partido lançar candidato, como combinado em 2013. Sendo assim, Nazi teria 4 votos, Emerson 4 e Marco 3. Vendo que sairia perdedor, Marco retirou sua candidatura.

Farei de tudo para que o senho não seja o presidente
Palavras duras, que ditas fora de um contexto, soariam até como uma ameaça. Foram ditas pelo vereador Marco Aurélio dirigidas a Emerson Brito na sessão do dia 03 de dezembro.
"Porque eu enquanto vereador do PT farei de tudo para que o senhor não seja presidente dessa Casa", disse o vereador em seu espaço de comunicação.
Em conversa com o DL o vereador explicou o desabafo nem tinha uma conotação de ameaça, que disse aquilo no calor do momento e o "tudo" significada tudo dentro do que for legal e moralmente aceito.

O senhor é um mau caráter
Surpreendentemente o vereador Toninho Matias (PDT) resolveu usar seu espaço de tribuna na sessão do dia 10/12 e baixou o "sarrafo" no vereador Chiquinho Silveira (REDE). Na sua opinião, Chiquinho é um mau caráter. Tudo porque o vereador disse que não votaria em Nazi Medeiros, rompendo de uma vez por todas os acordos firmados em 2013. Toninho foi além: disse que não há nada de novo na política praticada pelo vereador do REDE. Disse que o vereador negociou duas secretarias com vice-prefeito, Edson Ramalho, na época do pedido de cassação Cláudio Vitória. Disse ainda que Chiquinho que descumpriu o acordo, se beneficiou da presidência em 2013, com o voto de todos. Disse que se sente triste de sentar ao lado seu ex-colega de partido e o chamou de gritão. Concluiu que o novo não é tão novo assim e nem tão verdadeiro!

Chiquinho rebate
Para responder ao colega, Chiquinho disse que o vereador Toninho tinha um trabalho pífio como vereador e sem nenhuma responsabilidade. Disse que vereador estava mentindo querendo enganar a opinião pública. Justificou a mudança nos acordos depois de conversar com seu grupo de pessoas, que o partido decidiu por não acompanhar os acordos firmados outrora. Acusou o vereador Toninho de estar fazendo mau uso de dinheiro público, pois apresentava atestado médicos, mas estava trabalhando em sua empresa particular. Disse que o vereador não participa de nada, só faz política. Completou dizendo que Toninho é um cínico e deu graças a Deus que o vereador não ter ido à REDE, pois estavam trabalhando juntos na construção do partido em 2013.

É muita roupa suja para lavar
Infelizmente é lamentável a posição de alguns vereadores. Questões pessoais entram no debate da Casa. É muita roupa suja para lavar, mas a tribuna não é lugar ideal para essas coisas. 
Mas o circo está montado. Agora é esperar terça-feira, quando haverá a eleição da mesa e com certeza mais bateção de boca nos espera.

Comentários