Capão do Leão

História do nome Capão do Leão
De acordo com o historiador Joaquim Dias, a versão "mais coerente da origem do nome é que o Capão do Leão é o “capão do leão”, não africano, mas sul-americano: o leão-baio (Puma concolor). O leão-baio é um felino típico dos pampas, ainda encontrado
em nosso estado, também conhecido como puma, onça parda, suçuarana ou cougar. Leão-baio era a forma com que os primeiros portugueses designavam o puma. E, na época colonial, era um animal inspirador de cuidados por parte dos primeiros gaúchos, não tanto por aquilo que pudesse fazer ao ser humano, mas por ser um costumeiro agressor de rebanhos".
Conclui sua tese, defendendo "que Capão do Leão é “do leão”, por causa do leão-baio ou puma". Mas, "como nossa localidade/município tem aproximadamente 250 anos de ocupação humana não indígena, talvez a explicação que comprovaria a origem do nome tenha se perdido no tempo ou ainda esteja guardada em um obscuro arquivo de alguma biblioteca ou museu. Reafirmo, contudo, que o imponente e altivo puma representa a explicação mais lógica para o nome do lugar, pois se encaixa perfeitamente tanto nos acontecimentos históricos quanto no contexto geográfico e seu ecossistema."

Fonte: Olhares sobre Capão do Leão/Joaquim Lucas Dias dos Santos

Geografia
Localiza-se a uma latitude 31º45'48" sul e a uma longitude 52º29'02" oeste, estando a uma altitude de 21 metros.
Possui uma área de 784 716 km² e sua população estimada em 2008 era de 27.000 habitantes.
Em seu território está localizada a segunda maior serra de granito do mundo.
O território leonense é banhado pelo Canal São Gonçalo, cortado pela linha férrea que liga Rio Grande a Cacequi, e pelas BRs 116 e 293.

Distritos e Bairros
O município conta com três distritos: Pavão, Hidráulica e Passo das Pedras. Conta também com cinco bairros: Centro, Teodósio, Cerro do Estado, Parque Fragata e Jardim América.

Brasão do município
Em 1984, foi montado um concurso para definir um brasão para o Capão do Leão. Quem ganhou o concurso foi um militar e o prêmio foi entregue pelo prefeito Madruga, junto com a inauguração da biblioteca pública em 7 de setembro de 1984.
É um brasão tripartido onde na parte superior há um leão e uma pedra representando a pedra da bandeira. Na parte inferior esquerda há um vacum representando a pecuária, forte no município e, na direita, as plantações de arroz.
Segundo estudiosos de heráldica, o brasão está fora das regras mas, sem dúvida, é um bonito brasão.

Economia
A base da economia leonense é a agricultura, seguida do extrativismo mineral em geral, comércio, indústrias de pequeno, médio e grande porte, e também a prestação de serviços.
As grandes indústrias instaladas em Capão do Leão são a Cooperativa Sul-Riogandense de Laticínios (Cosulati), a Avipal, os frigoríficos Extremo-Sul e Mercosul, Votorantim Celulose e Papel (viveiro), a SBS Engenharia e a Ivaí Engenharia.

Fatores Estratégicos Positivos
A proximidade com a cidade de Pelotas (cidade-polo regional) e Rio Grande (super porto) e as rodovias BR-116 e BR-293, que cruzam o território municipal.

Turismo
Destacam-se, no município, o Cerro das Almas (antes conhecido como Serranía del Pabón, segundo um mapa do século XVIII); as pedreiras, principal atividade econômica do município; a Estância Santa Tecla e a Cacimba do Padre Doutor (tio do patrono da imprensa brasileira, Hipólito José da Costa); as cercas de pedra da época dos escravos; o Túmulo do Enforcado; os obeliscos de pedra em comemoração ao fim da Primeira Guerra Mundial e da Segunda Guerra Mundial; a Ferrovia Rio Grande-Cacequi; a Mesa de Pedra (marco de topografia do exército de 1949); a Toca do Miguel; a Gruta das Santinhas, no antigo Horto Florestal; a Pedra do Dedo (formação rochosa batizada assim pelos moradores); o monumento símbolo de Capão do Leão; a estátua de bronze em homenagem aos graniteiros; o busto de Elberto Madruga (primeiro prefeito da cidade); e a Pedra da Bandeira, que já não existe mais. Entretanto, a maioria desses marcos está correndo risco ou simplesmente foi abandonado, a mercê de ladrões e vândalos.

Política
Prefeitos
Elberto Madruga (1983/1985) – faleceu em 1985, sendo substituído pelo vice, Getúlio Victória
Manoel Nei Neves (1989/1992)
Getúlio Victória (1993/1996)
Manoel Nei Neves (1997/2000)
Vilmar Schmitt (2001/2004)
Vilmar Schmitt (2004/2008)
João Quevedo (2009/2012)
 Cláudio Vitória (2013/2016)

FONTE: http://pt.wikipedia.org/wiki/Cap%C3%A3o_do_Le%C3%A3o



Comentários